28.12.13

FOME PSICOLÓGICA... OU NÃO?

Bateu uma fome quando você viu a foto dessa pizza, né?

Mesmo que você tenha acabado de comer, o cérebro é capaz de sentir “fome” quando vê ou sente o cheiro de uma comida gostosa. O problema é que, na verdade, não necessitamos de energia.
Fatores como stress, ansiedade e influências externas levam o cérebro a nos confundir. Assim, acabamos comendo mais do que precisamos, ingerindo mais calorias e engordando.
Mas como saber quando a fome é psicológica ou fisiológica?
Quando nós temos uma dieta equilibrada, é fácil saber se é hora de comer ou não.
Com pessoas mais desreguladas e com um controle menor, é preciso fazer um cálculo rápido de quantas calorias já foram consumidas durante o dia e quantas faltam, para saber se podemos ou não comer agora.
Veja também se faz mais ou menos de 5 horas. O ideal é que façamos uma refeição a cada 5 horas, se sua fome aparecer em menos tempo, é provável que essa fome não seja “real”.

evite-os-petiscos-entre-as-refeicoes

E como driblar as calorias extras?
Ocupe seu tempo
Quando estamos desocupados, parece que toda hora é hora de comer. Tirar o foco da comida irá ajudar na manutenção do peso.

Não comer em frente à TV
Quando comemos em frente à TV, o cérebro demora mais para perceber que estamos satisfeitos. Quando percebemos já foi 1 pacote inteiro de bolacha.

Esconda as besteiras
Se você tiver fácil acesso às bolachas, biscoitos, salgadinhos, refrigerantes e doces, toda hora vai ser hora de beliscar. Evite deixar essas coisas à mostra.
Dicas fáceis e simples ajudam muito na hora de contabilizar as calorias no final do dia e podem fazer toda a diferença na hora de vestir aquela calça que você gosta ou ver o botão não fechar.
Dica extra:
Em muitos momentos, nosso cérebro confunde fome com sede. Experimente tomar 1 copo de água no primeiro momento, possivelmente sua fome irá cessar.

21.12.13

COMO FAZER EXERCÍCIOS PARA EMAGRECER?

exercicios-para-emagrecer
Para emagrecer o melhor caminho é realmente fazer uma boa alimentação, porém mesmo fazendo dieta não há como negar que a prática de exercícios irá não apenas acelerar a velocidade com que irão emagrecer mas também contribuirá para uma melhora geral em sua saúde e disposição no dia a dia. Existem inúmeros tipos de exercícios, isto por um lado é bom para que tenha maior liberdade em escolher o que mais lhe agrada, mas por outro lado isto pode ser um problema pois nem todas as pessoas realmente sabem quais são os tipos de exercícios para emagrecer.
A princípio é possível afirmar que qualquer tipo de exercício quando feito em uma dieta para emagrecer irá fazer com que emagreça, afinal calorias estarão sendo queimadas durante a prática do exercício. Mas por outro lado deve considerar que alguns exercícios emagrecem muito mais com muito menos esforço, e o “segredo” disto está na forma como o exercício é executado!
De um modo geral é possível afirmar que exercícios aeróbicos (por exemplo correr) queimam mais calorias do que exercícios anaeróbicos (por exemplo levantar pesos), isto não é nenhuma novidade. Mas o que irei mostrar aqui é exatamente qual o ponto determinante para que um tipo de exercício queime mais calorias que o outro, assim tornando possível que execute qualquer exercício queimando mais calorias para emagrecer!

O “Segredo” do Emagrecimento nos Exercícios Aeróbicos!

A princípio pode parecer estranho pensar que exercícios em que está fazendo menos força tenham uma maior eficácia para emagrecer, porém é exatamente isto o que acontece, o grande responsável por isso é seu metabolismo, é ele que fará com que passe a queimar muito mais calorias com exercícios intensos em um curto período de duração.
Assim que seus batimentos cardíacos chegam a determinado ponto é chamado de zona de queima de gorduras, o que indica que deste ponto em diante estará perdendo gordura localizada, e acima de 170 batimentos por minuto já estará acelerando seu metabolismo de tal forma que mesmo após o treino seu corpo ainda passará um bom tempo queimando gordura.
A seguir poderá ver as taxas de batimentos cardíacos para queimar gorduras em homens e mulheres de acordo com sua idade e também qual a frequência cardíaca máxima recomendada.

Tabela de frequência cardíaca para homens

Idade               Queima de Gordura               Freq. Máxima
20                    120 – 150                                200
25                    117 – 146                                 195
30                    114 – 142                                 190
35                    111 – 138                                  185
40                    108 – 135                                 180
45                    105 – 131                                  175
50                    102 – 127                                 170

Tabela de frequência cardíaca para mulheres

Idade               Queima de Gordura               Freq. Máxima
20                    123 – 154                                206
25                    120 – 150                                201
30                    117 – 147                                196
35                    114 – 143                                191
40                    111 – 139                                186
45                    108 – 135                                181
50                    105 – 132                                176
Algo importante a observar nestes números é que não são uma regra geral, mas sim um parâmetro com base em uma média estatística, portanto pode variar um pouco de uma pessoa para outra, principalmente em função de seu metabolismo e também de sua alimentação.

Como Treinar Aumentando a Frequência Cardíaca?

Agora que já sabe qual o principal “segredo” dos exercícios aeróbicos para queimar calorias deve estar querendo saber qual a forma de se exercitar para que acelere a queima de calorias e também de gordura localizada. São basicamente apenas dois fatores a observar em qualquer tipo de exercício que faça:
Frequência: Quanto mais acelerado for o ritmo do exercício maior será sua taxa de batimentos cardíacos, por exemplo: ao caminhar terá uma taxa ligeiramente maior do que estando parada, já se correr esta taxa será maior, se correr ainda mais rápido a tendência é ir aumentando cada vez mais!
Intensidade: Um “truque” interessante para quem pretende queimar gordura localizada é se exercitar até a falha muscular, ou seja quando o músculo perde instantaneamente a capacidade de executar o movimento. Ao atingir esta falha terá acabado com os estoques musculares de glicogênio, com isto seu corpo irá imediatamente recorrer a gordura localizada para gerar energia para seu corpo (efeito que dura até mesmo após o treino).
Uma dica extra é o fato de que se exercitar até a falha muscular é algo muito fácil e rápido, por exemplo, após correr como o de costume, antes de parar poderá fazer agachamentos (talvez até com algum pequeno peso), porém sem um limite de repetições, faça até sua perna dar sinal de que não aguentará subir. (geralmente após correr isto acontece relativamente rápido). Descanse um pouco (cerca de 30 segundos), e volte a correr mais alguns minutos, com isto certamente deixará seu metabolismo acelerado por muitas horas após o treino!

7.12.13

CASTANHA-DO-PARÁ E GERGELIM SÃO ALIADOS DA MEMÓRIA

Castanha do Pará, aliada da memória
Olá amigas(os) chega o final do ano e nossa bateria parece chegar ao fim. Estresse e alimentação desregulada podem atrapalhar a comunicação entre os neurônios, atrapalhando o armazenamento das lembranças. E como precisamos muito de nossa memória nessa época, afinal,  lembrar para quem e o que a pessoa aprecia, na hora de comprar os presentes, não é tarefa nada fácil.
A agitação da vida diária faz com que muitas vezes nossa memória comece a falhar. Quantas vezes nos pegamos esquecendo de coisas simples como um item da lista de compras, onde deixamos as chaves ou o nome de algum conhecido?
O estilo de vida é essencial para garantir a saúde do corpo e, também, dos neurônios.
Uma boa noite de sono para poder assimilar o que foi visto ao longo do dia, uma boa alimentação para nutrir todas as células e a prática de atividade física para ajudar o corpo a liberar enzimas de bem-estar são atitudes que colaboram para um cérebro saudável e uma memória em dia.
Dentre os principais alimentos aliados dos neurotransmissores na batalha por manter as lembranças preservadas estão as castanhas e as sementes.
As castanhas-do-Pará são fonte de magnésio, que ajuda no funcionamento das células nervosas; é rica em ômega 3, que melhora a concentração, a memória, previne doenças degenerativas cerebrais e melhora o humor;  e selênio, que é um poderoso antioxidante cerebral, além de colaborar com a desobstrução das artérias, melhorando a irrigação sanguínea e a oxigenação cerebrais.
Confiram alguns outros benefícios que traz a castanha do Pará
  • combate ao envelhecimento celular
  • promove uma vida longa e saudável
  • desintoxica o organismo de metais pesados
  • pode elevar em 65% o teor de selênio no organismo
  • produto totalmente orgânico
  • evita o surgimento de doenças neurodegenerativas com a idade como o Alzheimer
  • melhora o funcionamento da tireoide
  • ajuda a evitar a propagação do câncer além de diminuir a sua incidência
  • melhora o sistema imunológico
  • reduz os níveis de colesterol ruim do sangue
As castanhas podem ser ingeridas in natural, torradas, na forma de farinhas, misturadas a saladas, batidas com vitaminas… mas devemos evitar excessos.
Já o gergelim influencia no humor e na concentração, além de fortalecer e aumentar a quantidade de glóbulos vermelhos do sangue, favorecendo a oxigenação cerebral e a transmissão de impulsos nervosos que estão diretamente ligados à preservação das memórias.
Eu já inclui esses alimentos em minha dieta, para me auxiliar nessa maratona que visualizo pela frente.
Se você tem alguma dica de como estimular a mente e ter energia para  enfrentar o stress do final do ano, compartilhe com a gente!
Beijos e até a próxima!

30.11.13

FARINHA DE COCO

A farinha de coco é obtida a partir da extração do óleo de coco.
É rica em fibras que auxiliam no controle da glicose, ajudando na prevenção e controle do diabetes. Isso ocorre, pois ao chegar no intestino, as fibras retardam a velocidade de liberação da glicose para o sangue.
Além disso, as fibras aceleram o trânsito do intestino, prevenindo e tratando casos de constipação intestinal. Podem auxiliar no emagrecimento, pois causam a sensação de saciedade, reduzindo o apetite. Contribuem, também, para o controle das taxas de colesterol.
A farinha de coco não contém glúten e pode ser utilizada como substituta da farinha de trigo em preparações, sendo uma opção para quem possui intolerância ao glúten.
Além disso, pode ser utilizada salpicada em outras frutas, misturada à cereais como granola, aveia e quinua em flocos e, ainda, em vitaminas.

17.11.13

5 ALIMENTOS COM GORDURA TRANS QUE NÃO DEVERIAM ESTAR NA DESPENSA

O anúncio feito pela Agência de Drogas e Alimentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) de que as gorduras trans não são consideradas seguras para o consumo abriu caminho para as autoridades proporem a proibição do uso deste tipo de substância nos alimentos produzidos no país.
A gordura trans é bastante usada em alimentos processados para aumentar a vida útil dos produtos. No entanto, nutricionistas dizem que esse tipo de lipídio é prejudicial à saúde, aumentando o risco de doenças cardíacas.
A batalha para conscientizar as pessoas sobre a gordura trans começou há mais de uma década nos Estados Unidos. Desde 1999, foi proposto que os fabricantes de alimentos indicassem na embalagem o conteúdo de gordura trans. Mas a medida só entrou em vigor mesmo em 2006.
Segundo a Associação de Produtores de Alimentos (GMA, na sigla em inglês), desde 2005 houve uma redução de mais de 73% na quantidade de gordura trans colocada em alimentos.
O consumo deste tipo de gordura caiu entre os americanos de 4,6 g por dia em 2003 para 1 g em 2012.
Agora, caso os planos da FDA avancem, a indústria alimentícia americana precisará readaptar processos de fabricação - o que pode implicar em um aumento de custos.
Confira abaixo a lista dos alimentos que precisarão passar por mudanças no seu processo de fabricação:
1. Biscoitos salgados, doces e outros alimentos assados
Esses produtos geralmente contêm gorduras trans em estado sólido, para deixá-los menos oleosos.
"As gorduras 'boas' já desempenham esse mesmo papel. Só que são mais caras para a indústria dos alimentos. Mas elas trazem menos riscos para a saúde e são mais saudáveis", diz o químico de alimentos Fidel Belmares.
2. Pipoca de micro-ondas
As gorduras trans sólidas são usadas nas pipocas de micro-ondas para conservar o produto por mais tempo. A alternativa, segundo especialistas, seria usar azeite líquido no lugar.
"Ela é mais líquida, mas menos manipulada e mais natural. O azeite de oliva não possui gordura trans", diz o médico Jorge Loredo.
3. Pizzas e salgados congelados
Alguns produtos congelados - pizzas, risoles, coxinhas - contêm gorduras trans para prolongar sua duração. Os especialistas sugerem que as pessoas comprem produtos frescos e os congelem em casa.
Alguns produtos congelados sem gordura trans já são vendidos no mercado hoje.
"Há empresas que vendem batatas fritas ou outros tipos de lanches congelados e anunciam na sua embalagem que nenhum tipo de trans foi usado na fabricação do alimento", diz Loredo.
4. Manteiga vegetal e margarina em barra
Loredo sugere que se use manteiga em vez de margarina, porque a origem animal do produto é mais bem assimilada pelo metabolismo do corpo. Melhor ainda seria, segundo ele, o uso de gorduras líquidas - como azeite de oliva - em vez de gorduras sólidas - como manteiga ou margarina.
5. Glacê pronto para uso
Os glacês prontos para uso em doces faz com que as guloseimas fiquem mais sólidas e estáveis por mais tempo em temperatura ambiente.
Apesar de inúmeros esforços da indústria alimentícia na busca por substitutos, os especialistas asseguram que é melhor fazer o glacê desde o começo - utilizando ingredientes naturais.

13.11.13

CÂNCER, METABOLISMO E HÁBITOS DE VIDA- QUAL A RELAÇÃO?

Se você tem MEDO de CÂNCER, mas tem hábitos de vida ruins, não tenha medo, porque você VAI ter um câncer se viver tempo o suficiente!

O motivo é simples: quando você tem “hábitos de vida ruins” (quanto mais hábitos estão ruins, pior seu metabolismo e assim, pior fica a sua saúde), seu organismo tem piores condições de funcionar e com isso seu metabolismo é reduzido (a redução do metabolismo sempre vem “acompanhada” por distúrbios em hormônios e neurotransmissores , por isso afetando TODO seu organismo, corpo e mente), pela falta de Combustíveis e Estrutura (estes só vêm adequadamente de BONS hábitos de vida, regulares) para seu corpo e mente; e quando o metabolismo “cai”, seu cérebro manda seu organismo:

1 – Cortar gastos – o que reduz sua energia global para as tarefas cotidianas
2 – Formar reservas de energia, o que te faz engordar, reter líquidos, respirar mais profundamente e ficar lento
3 – Eliminar “gastadores” de energia – sendo que os principais no organismo humano são músculos, ossos, imunidade e sistema nervoso

Fica claro, portanto, que, em virtude da “conseqüência 3” conforme acima, o sistema imunológico tem seu funcionamento prejudicado quando seu metabolismo (geral) cai aquém do seu normal, predispondo você a mais infecções, doenças autoimunes e o temido CÂNCER – além de perda de massa muscular, osteoporose e “problemas nos nervos”.

Ou seja, melhore seus hábitos de vida ou possivelmente desenvolverá problemas de peso, distúrbios cardio-circulatórios ou uma doença crônica, como um câncer; é só “esperar para ver”...

Entendido? Mude, melhore e tenha Saúde!

3.11.13

CAMINHADA: VEJA 10 MANEIRAS DE POTENCIALIZAR OS EFEITOS...


Pequenos ajustes podem fazer com que essa modalidade traga muito mais benefícios.

Emagrecer, tonificar a musculatura, aliviar o estresse, melhorar a saúde do coração, evitar a depressão... A lista de ganhos proporcionada pela caminhada é enorme e, para levar esse pacote de vantagens, pessoas de todas as idades e com diferentes graus de condicionamento físico precisam apenas calçar um tênis e colocar as pernas para trabalhar. Simples assim? Nem tanto. Não basta andar a esmo por aí. Além da necessidade do exercício ser praticado pelo menos três vezes por semana, durante 30 minutos, mesmo que sejam divididos em 3 parcelas de 10, o local e a maneira escolhidos para realizar a atividade fazem muita diferença nos resultados da malhação. A seguir, veja formas de potencializar os efeitos do treino e dicas para manter-se fiel à atividade:

1. Caminhada na calçada eleva gasto calórico: ao caminhar na rua, as calçadas quebradas e as raízes das árvores são um perigo. Fora isso, a necessidade de desviar de outras pessoas e ter que prestar uma atenção redobrada na hora de atravessar a via atrapalham a continuidade do exercício. Mas todos esses fatores também trazem ganhos, pois estimulam a multilateralidade e fazem com que outros músculos sejam exigidos para alterar a direção e evitar esses acidentes de percurso, elevando o gasto calórico. “Esse tipo de atividade estimula ainda os receptores da propriocepção, importantes na localização espacial e no estímulo da resposta muscular nestas situações”, diz o ortopedista Ricardo Cury, professor do Grupo de Cirurgia do Joelho da Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo.

2. Em cidades com muito trânsito, prefira parques e praças: para quem gosta de malhar ao ar livre, dar as passadas nas calçadas de vias públicas pode parecer uma boa ideia. Mas, em cidades com o trânsito intenso, isso só aumenta o tempo em que ficamos respirando toda a fumaça que exala dos escapamentos, o que é inevitável no vaivém do cotidiano. A longo prazo isso pode levar a um comprometimento pulmonar semelhante ao que acontece com um fumante. “Por isso, sempre que possível se exercite em uma praça ou, de preferência, em um parque”, diz José Kawazoe Lazzoli especialista em medicina do esporte e diretor da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte.

3. Aposte em subidas e descidas: na hora de dar as passadas fora da academia procure percursos com subidas e descidas. Andar um minuto em um terreno plano consome 8 calorias, enquanto em uma ladeira esse número sobe para 11. “Isso acontece porque em um terreno íngreme os músculos das pernas, dos glúteos, do abdômen e da lombar trabalham com mais intensidade, elevando a queima calórica”, explica Ricardo Cury. Mas isso também faz com que essas partes do corpo estejam mais expostas a lesões, principalmente se elas já forem mais sensíveis por causa de problemas pré-existentes. “O coração também é mais exigido nesse caso, por isso o ideal é procurar um médico para fazer uma avaliação ortopédica e outra cardiológica antes de suar a camisa”, diz José Kawazoe Lazzoli.

4. Fatores climáticos ajuda a queimar mais calorias: pesquisas demonstraram que fatores climáticos, como a chuva intensa, o vento forte e o calor ou o frio excessivos, somados aos desníveis naturais do solo aumentam em cerca de 5% o gasto calórico de quem anda ao ar livre em comparação a quem faz o exercício com a mesma intensidade durante o mesmo período na academia.

5. Areia fofa turbina o treino: caminhar na areia fofa eleva bastante o gasto calórico e exige muito mais esforço dos músculos, especialmente os da panturrilha, da parte de trás das coxas e dos glúteos, além de necessitar de muito mais fôlego. “Por essas razões, quem tem algum problema nos ossos, articulações ou músculos, principalmente dessas partes do corpo, ou não está muito bem treinado, e os idosos devem preferir terrenos mais regulares”, afirma José Kawazoe Lazzoli.

6. Areia dura também exige mais do corpo: uma pesquisa publicada no periódico Journal of Experimental Biology revelou que andar na areia dura exige duas vezes mais esforço do que caminhar na rua e ainda amortece a pisada. Nesse caso também é válida a recomendação de tomar cuidado se você já tem algum problema nos ligamentos ou nos tendões, pois geralmente esse tipo de terreno tem declives e aclives laterais que sobrecarregam essas estruturas.

7.  Água diminui impacto e aumenta gasto calórico: andar com água na altura da canela ou da cintura, seja no mar ou na piscina, aumenta muito o gasto calórico e o esforço muscular. “Isso acontece porque o líquido eleva a resistência contra a qual fazemos o deslocamento”, explica José Kawazoe Lazzoli. “Essa é uma opção de exercício particularmente interessante para aqueles indivíduos que têm varizes nos membros inferiores”, diz. Além disso, como não há impacto, também é uma boa opção para quem tem problemas nas articulações e nos ligamentos.

8. Música ajuda a manter o ritmo: colocar uma música bem animada durante o exercício ajuda a manter a sua intensidade elevada. “Dependendo do ritmo, o som realmente funciona como um fator motivador e ajuda a fazer com que o tempo da prática da atividade física pareça passar mais rápido”, diz Ricardo Cury. Mas, se você estiver caminhando na rua, tome cuidado para que as batidas não tirem a atenção do que está acontecendo à sua volta.

9. Tênis certo é imprescindível: usar um tênis adequado para caminhar, que ofereça estabilidade, tenha tecnologia de absorção de impactos e que esteja de acordo com o seu tipo de pisada é imprescindível para garantir a segurança da atividade e pode elevar o desempenho, já que a pessoa fica mais confortável e se movimenta melhor e com mais eficácia.

10. Contar passos pode ajudar: para quem caminha exclusivamente com o objetivo de prevenir problemas de saúde, contar o número de passos é indicado. Dez mil diários é a quantidade mínima recomendada para que uma pessoa não seja considerada sedentária. Um pedômetro pode ajudar nessa missão. “Fazer uma estimativa da distância que deve ser percorrida e usar um frequencímetro com GPS para calculá-la também é indicado”, diz José Kawazoe Lazzoli.

25.10.13

COMO VAI A SAÚDE DE SEUS PÉS?

Os pés normalmente são negligenciados no trabalho corporal, mas, como qualquer parte do corpo, têm articulações, músculos, cápsulas e ligamentos, necessitando ser mobilizados, alongados e fortalecidos para se tornarem e se manterem saudáveis.
Pés mal tratados podem comprometer a saúde de todo o corpo, incluindo da coluna e de outras articulações. Pisar mal pode vir a ser a causa de cefaleias, dores nas costas, escolioses e lordoses, além de problemas nos ombros, nos membros inferiores, na pélvis ou em outras partes do corpo, principalmente quando combinamos isso com carregar peso excessivo.
Os pés são a base do corpo humano e têm a função de prover estabilidade, além de exercer funções importantes como a marcha. Qualquer lesão ou machucado pode acarretar assimetria e problemas de toda ordem neuro-musculoesquelética. O pé é a extremidade dos membros dos animais terrestres que assenta no solo. No homem e em outros bípedes, o termo se aplica apenas à parte final das extremidades inferiores.
Cada pé tem 26 ossos, cerca de 20 músculos, ligamentos, tendões, tecidos que atuam como amortecedores, absorvem e fazem a transdução do impacto de nossa pisada no chão para as articulações acima.
Os ossos dos pés formam uma plataforma mantendo a distribuição adequada para o equilíbrio dinâmico e, sendo uma unidade funcional, "os ossos do pé também transferem o peso do calcanhar para a parte anterior do pé, impulsionando a marcha".
Segundo o francês Eric Viel (2007) "a reverberação dos choques no calcanhar dissipa-se no esqueleto e nos músculos do membro inferior, passa pela pelve, para ser amortecida nos discos intervertebrais, e atinge a cabeça". Daí podemos perceber a importância de incluir os pés como parte fundamental dentro de um programa de exercícios.
"Uma rede de músculos, tendões e ligamentos move, suporta e mantém os ossos do pé na posição certa. Ajuda-nos a manter o equilíbrio sobre superfícies desiguais, proporcionando-nos a propulsão, elasticidade e flexibilidade necessárias para caminhar, saltar e correr."
Os músculos dos pés são divididos entre intrínsecos e extrínsecos. Suas funções incluem mover e estabilizar os dedos no chão, suportar o arco, levantar os dedos e controlar os movimentos do tornozelo etc. Os ligamentos fixam os tendões no lugar e estabilizam as articulações sendo a fáscia plantar, a estrutura mais longa do pé "que forma o arco entre o calcanhar e os dedos e permite manter o equilíbrio e caminhar".
Segundo Eric Viel, 2007, "O pé age, ao mesmo tempo, como uma mola de lâmina ao se deixar comprimir, e como amortecedor hidráulico dissipando uma parte das forças. Por essa razão, ele foi comparado a um amortecedor de choques e para cumprir eficazmente a sua função o pé deve ser flexível. O recebimento do peso do corpo determina, nas pequenas articulações, movimentos complexos de deslizamento e de rotação nos três planos no espaço. Rigidez é sinônimo de início das dores". O pé deve ser flexível e proporcionar uma sensação de leveza e flutuação.
Esse tema foi abordado durante a Conferência Internacional da PhysioPilates - Polestar, por Trent McEntire, conferencista internacional e presidente do conselho de administração da Pilates Method Alliance (PMA), uma Associação Internacional de profissionais de Pilates, fundada há 10 anos nos EUA, que vem definindo parâmetros para o Pilates. Trent chamou nossa atenção para a importância da saúde dos pés e alertou sobre a importância de estimular essas estruturas para uma melhor deambulação e postura.Ministrou exercícios específicos para desenvolver a inteligência, a força e a mobilidade dos pés incluindo o uso da banda elástica. Os participantes do workshop relataram uma sensação de flutuação e equilíbrio em todo o corpo após as práticas.
Os pés são divididos em três partes: Tarso - a parte superior, que se liga com os ossos da perna; metatarso - a parte mediana; e dedos que são as extremidades. Algumas partes dos pés são denominadas vulgarmente de "planta do pé" - a parte do pé que apoia no solo; é formada pelo calcanhar e pela face inferior dos ossos do metatarso e das falanges e é coberta por uma pele mais espessa do que no resto do corpo; "calcanhar" que é o osso calcâneo; "tornozelo", que é a articulação do pé com a perna.
Existem alguns tipos de pés. O pé plano ocorre pela queda do arco longitudinal do pé. Os ossos do tarso tendem a formar uma linha reta em vez de um arco, perdendo a função de amortecimento.Também temos o pé cavo, em que o arco longitudinal é muito acentuado, há excesso de pressão nas cabeças dos metatarsos que estão abaixadas, com formação de calosidades e fascite plantar. Também existem outros tipos de desalinhamentos:os pronados, quando o peso cai para dentro, os supinados, quando o peso está mais para a borda de fora do pé, entre outros. O apoio anormal leva também à formação de calosidades plantares e à metatarsalgia crônica. A persistência dessas alterações leva à artrose precoce, necessitando de exercícios de alinhamento, mobilização, propriocepção e força na sua trama de ossos, músculos, tendões, cápsulas etc.
Existem duas fases da marcha chamadas de apoio e oscilação, que são subdivididas em subgrupos nos quais o pé tem grande importância. Qualquer alteração numa dessas fases, seja por comprometimento no pé ou em qualquer outra área do corpo, pode causar lesões ou desequilíbrios afetando o corpo como um todo. Outras estruturas importantes do corpo fazem coordenação com a passada do pé: joelho, quadril, a posição do tronco e a cabeça, sendo importante manter essas áreas alinhadas para uma melhor harmonia.
Os ossos dos pés são projetados para se articularem e a mobilização deve ser estimulada e em conjunto com outras partes para oferecer uma melhor movimentação nas atividades de vida diária, de vida profissional ou de recreação. Mas quem é que cuida dos pés e das suas articulações?
Durante nossa evolução de vestuário foi necessário o uso de sapatos para cumprirmos com os nossos compromissos e, por questões estéticas, desenvolvemos modelos cada vez mais exóticos, que enchem os olhos de homens e mulheres. Mas, nem sempre esses sapatos são confortáveis para os pés e, com freqüência, torna-se um sacrifício para todo o corpo e para os próprios pés equilibrar-se sobre eles.
Para uma festa, escolhemos os sapatos mais bonitos, e não temos a urgência de nos preocupamos com o conforto, por ser uma situação extraordinária ou pontual. Mas imaginemos quem precisa utilizar um sapato de salto alto para trabalhar e necessita ficar de seis a oito horas por dia, todos os dias, com aquele calçado?
Já observaram a postura de pessoas que caminham de um lado para o outro com sapatos de salto alto ou apertados? Caminham em bloco, esquecendo-se de articularem esses ossos tão importantes, perdendo a sensação de flutuação que um pé bem trabalhado pode dar a todo o corpo. Esses indivíduos estarão mais sujeitos a terem lesões de todo tipo, ao longo de anos.
As mulheres, por exemplo, são candidatas a problemas em pés, tornozelos, joelhos e coluna, por conta do sapato alto. De acordo com Tatiana Abreu, sócia-fundadora da FisioRun Fisioterapia, "os saltos muito altos alteram a biomecânica da passada. Há, ainda, dificuldade na flexão da planta do pé, o que prejudica a circulação e potencializa a tendência ao aparecimento de varizes". Mas, os problemas não param por aí. A fisioterapeuta ressalta que, por conta da posição dos pés, "o salto 'encurta' a musculatura da panturrilha e, consequentemente, também o tendão de Aquiles. Dores no joelho, no arco anterior dos pés, joanetes, calos, tendinites, unhas encravadas e danos à coluna são outros problemas causados pelo salto alto". O salto alto muda a pisada normal, o apoio da carga desarrumando os ossos do pé, impedindo a sua mobilização, alterando o equilíbrio, o centro de gravidade e comprometendo a relação de alinhamento e sobreposição da cabeça, ombros, cintura pélvica e pés, sendo assim, potencializador de diversos problemas na coluna, quando utilizados em excesso.
É necessária uma mudança de hábitos como a de escolher cuidadosamente calçados mais adequados e avaliar sua marcha com regularidade.
Algumas patologias são chamadas de "síndromes" do pé e são percebidas quando surgem manifestações de: mialgia, tendinite, neurite, distensão, bursite de calcâneo,fascite plantar, metatarsalgia, calcâneo doloroso, dor no ante-pé, sesamordite, calosidade, fraturas,esporão e todas elas causam alterações na postura.
Essas síndromes devem ser investigadas e tratadas de imediato, para evitar lesões de maior impacto, porém o melhor caminho é a prevenção, com o trabalho diário de aquecimento, alongamento, fortalecimento muscular e consciência corporal.
É clara a importância da atenção e cuidados preventivos para evitar as alterações nessas estruturas de base, contribuindo, assim, para a diminuição da extensão dos desequilíbrios que desencadeiam nas estruturas superiores.

20.10.13

PRINCIPAL CAUSA DA CONFUSÃO MENTAL NO IDOSO


Sempre que dou aula de clínica médica a estudantes do quarto ano de Medicina, lanço a pergunta: 
- Quais as causas que mais fazem o vovô ou a vovó terem confusão mental? 
Alguns arriscam: *"Tumor na cabeça".
Eu digo: "Não". 
Outros apostam: "Mal de Alzheimer" 
Respondo, novamente: "Não".
A cada negativa a turma se espanta... E fica ainda mais boquiaberta quando enumero os três 
responsáveis mais comuns:
- diabetes descontrolado;
- infecção urinária; 
- a família passou um dia inteiro no shopping, enquanto os idosos ficaram em casa.

Parece brincadeira, mas não é. Constantemente vovô e vovó, sem sentir sede, deixam de tomar líquidos.
Quando falta gente em casa para lembrá-los, desidratam-se com rapidez.
A desidratação tende a ser grave e afeta todo o organismo. Pode causar confusão mental abrupta, queda de pressão arterial, aumento dos batimentos cardíacos ("batedeira"), angina (dor no peito), coma e até morte.
Insisto: não é brincadeira.
Na melhor idade, que começa aos 60 anos, temos pouco mais de 50% de água no corpo. Isso faz parte do processo natural de envelhecimento.
Portanto, os idosos têm menor reserva hídrica. 
Mas há outro complicador: mesmo desidratados, eles não sentem vontade de tomar água, pois os seus mecanismos de equilíbrio interno não funcionam muito bem.
Conclusão:
Idosos desidratam-se facilmente não apenas porque possuem reserva hídrica menor, mas também porque percebem menos a falta de água em seu corpo. Mesmo que o idoso seja saudável, fica prejudicado o desempenho das reações químicas e funções de todo o seu organismo.
Por isso, aqui vão dois alertas:
1 - O primeiro é para vovós e vovôs: tornem voluntário o hábito de beber líquidos. Por líquido entenda-se água, sucos, chás, água-de-coco, sopa e frutas ricas em água como: melão, melancia, abacaxi, laranja e tangerina também funcionam. O importante é, a cada duas horas, botar 
algum líquido para dentro. Lembrem-se disso!
2 - Meu segundo alerta é para os familiares: ofereçam constantemente líquidos aos idosos. Ao mesmo tempo, fiquem atentos. Ao perceberem que estão rejeitando líquidos e, de um dia para o outro, ficam confusos, irritadiços, fora do ar, atenção! É quase certo que sejam sintomas decorrentes de desidratação.
"Líquido neles e rápido para um serviço médico".

Arnaldo Lichtenstein, médico, é clínico-geral do Hospital das Clínicas e professor colaborador do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

12.10.13

QUINOA

A planta conhecida como Quinoa (Chenopodium quinoa Willd) tem sua origem nos países da Bolívia, Chile, Peru e Colômbia. Essa planta produz um grão que tem ganhado cada vez mais importância nos estudos referentes a alimentos funcionais e que sempre foi tido como essencial para a alimentação do homem que vive no altiplano andino.
A planta possui cerca de 3.120 variedades e o seu cultivo é feito nas altitudes elevadas dos Andes por quechuas e aymarás. Uma curiosidade é que a quinoa, assim como outros grãos como o amaranto, tinha grande presença na alimentação do homem que habitava a América do Sul, porém, com a chegada dos espanhóis esses alimentos foram sendo substituídos pelos grãos que eram consumidos na Europa, como a cevada e o trigo.
O grande sucesso da quinoa a mesa do brasileiro se justifica pelo fato de esse ser considerado um dos alimentos mais completos em nutrientes, sendo comparado em qualidade ao leite materno. Ajuda na prevenção de doenças como a osteoporose e até mesmo o câncer de mama.
A facilidade para incluir a quinoa na alimentação do dia a dia também é um fator relevante para o seu sucesso,   ela pode facilmente quinoasubstituir o arroz. A quinoa no lugar do arroz ajuda a aumentar o valor nutricional da alimentação. As folhas de quinoa real, mesmo sendo bem difíceis de encontrar, podem ser usadas assim como as sementes para fazer sopas.

Benefícios da Quinoa Para a Saúde

A semente de Quinoa pode trazer diversos benefícios para a saúde como, por exemplo, auxiliar no fortalecimento dos músculos, reduzir o mau colesterol (LDL), prevenir a hipertensão arterial (pressão alta), fortalecer os ossos para prevenir osteoporose, prevenir o aparecimento de doenças cardiovasculares e ainda no bom funcionamento do sistema nervoso, bem como na síntese de hormônios.
Outras funções interessantes da semente de quinoa é o fortalecimento do sistema imunológico, tornando mais difícil o aparecimento de doenças, e a sua contribuição para o processo de cicatrização. A quinoa também pode ser utilizada para combater a anemia.

Quinoa para a Saúde Feminina

As mulheres contam com inúmeros benefícios da quinoa, como a redução de sintomas da TPM e menopausa, além de contar com a melhoria do funcionamento do intestino, o que reduz a sensação de edema (inchaço), entre outros.

Quinoa Não Contém Glúten

Pelo fato de não conter glúten, a quinoa é uma alternativa de alimento para pessoas que têm doença celíaca, ou seja, intolerância a essa substância. A quinoa pode ser incluída na alimentação sob a forma de sopas, pães, bolos, risotos, sucos, entre outros.

Quinoa Para Emagrecer

A quinoa é rica em fibras e, por isso, cria uma sensação de saciedade que ajuda a reduzir o apetite. Além disso, contém substâncias naturais que agem como o estrogênio no organismo, o que auxilia a combater os sintomas da menopausa e da TPM.

2.10.13

EXERCÍCIO E PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

A inatividade é uma característica das sociedades modernas, em que o progresso e a tecnologia afastaram a necessidade da atividade física, antes fundamental para a sobrevivência do ser humano.
A associação entre o sedentarismo e a ocorrência de doenças cardiovasculares já foi estabelecida há quase 5 décadas, tendo sido demonstrada uma clara relação de dose e efeito entre a prática de atividades físicas e a ocorrência de eventos coronarianos fatais e não-fatais (p. ex.: infarto do miocárdio, angina do peito, morte súbita, etc.). O tipo de atividade física parece ter pouca relevância na obtenção desse efeito, importando mais o gasto calórico dispendido.
Á medida que aumenta o gasto calórico, diminui progressivamente o risco de um problema cardiovascular. Um gasto calórico superior a 2000 kcal por semana através de exercícios parece não adicionar nenhum benefício na prevenção de coronariopatias. A proteção do exercício se manifesta somente naqueles que estão se exercitando regularmente.
O fato do indivíduo ter sido um grande atleta no passado não confere proteção caso ele tenha voltado a ser sedentário. Ou seja, "exercício não é vacina", que é feita uma vez na vida e a proteção dura para sempre. A chave é manter-se sempre em atividade. As razões exatas para o efeito protetor do exercício regular não são ainda totalmente compreendidas, mas, com certeza, o efeito sobre alguns dos fatores de risco tradicionais é parte importante dessa proteção.
Fatores de Risco para Doença Cardiovascular
Os fatores de risco para doença cardiovascular são os principais responsáveis pelo desenvolvimento das placas de aterosclerose, que entopem as artérias. Dentre os fatores de risco tradicionais, o exercício regular é capaz de influenciar positivamente o perfil lipídico, a obesidade, a resistência à insulina e a hipertensão arterial.
Em relação ao perfil lipídico, ele promove o aumento das lipoproteínas de alta densidade, consideradas como sendo o "bom colesterol" (HDL - colesterol), que é capaz de retirar a gordura que deposita-se no interior das artérias, gerando as placas de aterosclerose. Ele diminui os níveis de triglicerídios e o efeito deletério das lipoproteínas de baixa densidade, também chamadas de "mau colesterol" (LDL - colesterol), responsáveis pelo depósito de gordura dentro das artérias.
Parte do efeito obtido pelo exercício passa pelo controle da obesidade. Os indivíduos que aderem a um programa de exercícios, além de gastarem mais calorias, eles demonstram maior capacidade em seguir uma dieta alimentar, facilitando a perda de peso. Nos adultos, o desenvolvimento de Diabete Melito ocorre pela resistência ao efeito da insulina e não pela falta dela. A insulina disponível, em quantidade suficiente, não consegue fazer com que a glicose (açúcar) penetre nas células e possa ser metabolizada.
O exercício diminui essa resistência à ação da insulina, facilitando a entrada da glicose na célula e retardando o aparecimento do quadro de Diabete Melito. Nos indivíduos que apresentam aumento sustentado da pressão arterial e começam a exercitar-se, observa-se discreta redução dos níveis pressóricos, que, em alguns casos, permite a redução, ou mesmo a suspensão da medicação anti-hipertensiva.
Arritmias Cardíacas
A ocorrência de descompassos no ritmo cardíaco, conhecidos como arritmias cardíacas, podem ser, tanto destituídos de qualquer significado clínico, como, em casos especiais, podem representar uma ameaça à vida. Um dos fatores responsáveis pela ocorrência dessas arritmias é a liberação de grandes quantidades de adrenalina durante momentos de grande tensão emocional ou durante exercício físico intenso e abrupto.
O treinamento físico diminui a quantidade de adrenalina que é liberada durante situações críticas, reduzindo o impacto sobre o coração. Um sedentário tem 100 vezes mais risco de ter uma parada cardíaca durante um exercício intenso e abrupto, ao qual ele não esteja habituado. Já um indivíduo bem condicionado fisicamente apresenta um risco apenas 2,5 vezes maior.
Risco de Trombose
O mecanismo principal de vários eventos cardiovasculares é a formação de um trombo dentro das artérias, provocando a oclusão do vaso e a interrupção do fornecimento de sangue. Como esse é um processo dinâmico, á medida que o trombo vai sendo formado, o organismo também vai desfazendo o trombo, através da fibrinólise. Através do exercício regular, é possível promover o aumento da fibrinólise, prevenindo a ocorrência de fenômenos trombóticos agudos, como o infarto do miocárdio.

26.9.13

DICAS PARA COMBATER O MAU HÁLITO

mau hálito‏



Se tem uma coisa que é bastante constrangedor e incômodo é o mau hálito. Esse problema que atinge mais pessoas do que se imagina, pode atrapalhar de verdade, a vida social de qualquer um, especialmente em situações como uma reunião de negócios, uma entrevista de emprego, ou mesmo um encontro casual com os amigos.
Esse tipo de problema acaba contribuindo que as pessoas ao redor se afastem do “portador do problema”. E o mais intrigante é que na maioria das vezes, a pessoa nem percebe que tem mau hálito (halitose). As causas podem ser variadas: falta de higiene bucal, determinados alimentos, problemas periodontais ou do trato digestivo.
O mau hálito não precisa ser uma condição permanente. Por mais difícil que seja encarar esse problema, é preciso ir em frente, pois na maioria dos casos, apenas algumas mudanças são necessárias para dar fim ao problema. O ideal é descobrir a origem causadora da halitose e assim trata-la da melhor maneira possível.


Veja 11 dicas que ajudam a combater o mau hálito

1. Escove os dentes com mais frequência
Ao fazer isso, você estará removendo bactérias ruins que possam estar causando esses odores. Os especialistas dizem que em 90% dos casos, a origem do problema está na boca. Portanto, cuidado redobrado na hora da higienização bucal, especialmente na língua pois nela se acumulam resíduos de alimentos e restos de células que descamam do epitélio lingual, causando fermentação e liberando substâncias ricas em enxofre, que por sua vez acaba causando o mau hálito.
Pra tornar a limpeza dos dentes, gengivas e língua ainda mais eficaz, além da escova dental convencional, utilize também fio dental ou escova interdental e raspador ou higienizador lingual para a higienização da língua. No caso da Halitose ter origem patológico é preciso recorrer a tratamentos especializados.
2. Enxague bem a boca após as refeições
Depois de comer, certifique-se de enxaguar bem a boca, retirando todas as partículas de alimento que eventualmente grudaram em sua boca. Além de ajudar na retirada de resíduos de alimentos presos nos dentes e gengiva, essa ação também ajuda a retirar o cheiro da comida que você acabou de comer. Use produtos de enxágue bucal ou antissépticos bucais que contenham dióxido de cloro.
3. Evite cremes dentais que contenham Lauril Sulfato de Sódio
Pastas de dente que tenham em sua composição o Lauril Sulfato de Sódio causam o aumento no ressecamento da mucosa bucal e descamação epitelial, duas das principais causas do mau hálito (Halitose). Portanto, procure comprar marcas que não contenham essa substância química.
4. Evite balas e gomas que contenham açúcar
Muitas pessoas recorrem às balas de hortelã ou menta para aliviar o problema, mas o ideal é evitar as que contem açúcar, pois como sabemos, as bactérias amam açúcar e ao consumir balas e chicletes açucarados você estará contribuindo para que elas se proliferem ainda mais. 
5. Consuma menos carne e coma mais vegetais e frutas
Comer menos carne e passar a introduzir mais fibras na alimentação, como legumes e frutas ajudam a combater a halitose de forma eficaz. Mastigar salsa, tomilho e alecrim ajudam a prevenir o odor bucal, pois contém clorofila, uma substância química encontrada em plantas que é considerado um aliado para combater o mau hálito.
6. Não faça jejum prolongado
Fazer jejum por um período prolongado pode causar mau hálito pois com o estômago vazio, o suco gástrico passa a ser sentido na boca. Com a correria do dia a dia, muitas pessoas dispensam o desjejum, o que é um grande erro. A dica vale também para os longos intervalos que muitos fazem entre uma refeição e outra.
7. Ingerir mais água ao longo do dia
A baixa ingestão de água também pode causa mau hálito pois contribui para a secura da boca. Se você toma certas medicações, então a hidratação deve ser redobrada pois algumas delas podem deixar a boca ainda mais seca. Certifique-se de beber no mínimo 8 copos de água por dia pois a água ajuda a manter a boca hidratada, ajudando na formação da saliva, que atua como um antibacteriano natural.
8. Evite certos alimentos
Alguns alimentos tendem a causar ou acentuar o problema da halitose, como o alho, cebola, refrigerante, suco de laranja, algumas especiarias e queijo. O alho contém compostos de enxofre que quando metabolizados, produzem sulfureto de metilo, que acaba sendo excretada pela boca, causando o mau cheiro bucal.
9. Deixe o tabagismo
Bom, não é novidade para ninguém, mas a nicotina é um dos vilões causadores do mau hálito. Aderir a este hábito não só vai prejudicar o seu hálito e saúde bucal como também vai expor seu corpo a muitos problemas de saúde a longo prazo. Portanto, o recomendável é abandonar esse péssimo hábito o mais rápido possível.
10. Visitas periódicas ao dentista
Visitas periódicas ao dentista é um requisito essencial para manter conservar a saúde oral em qualquer idade. O dentista é um dos melhores profissionais que podem ajudar a identificar a causa real do mau hálito e indicar as melhores soluções para o problema. Se ele perceber que o problema não está na boca e sim em outra parte do corpo, com certeza ele indicará o especialista ideal para averiguar a causa da halitose.
11. Procurar o especialista indicado
Muitas vezes, a causa do problema não está na boca e portanto é necessário uma investigação clínica para descobrir a origem do problema. Algumas doenças podem causar a halitose como diabetes, doença hepática, doença renal, sinusite, inflamação das amídalas e problemas estomacais como refluxo, neoplasia e prisão de ventre.
Descobrir as causas do mau hálito é o primeiro passo para se livrar deste problema desagradável de uma vez todas. Mau hálito não é uma condição permanente. Com tratamento é possível ter resultados satisfatórios e desta forma recuperar a autoestima perdida por esta condição tão incômoda para todos que dela sofrem.

14.9.13

FALTA DE EXERCÍCIO FÍSICO REDUZ EXPECTATIVA DE VIDA EM ATÉ 10 ANOS...


Quem pratica exercícios físicos regularmente reduz em até 50% a chance de
desenvolver doenças crônicas, como câncer, diabetes e problemas cardiovasculares.

A falta de atividade física pode reduzir em até 10 anos a expectativa de vida. Já quem se exercita reduz em até 50% a chance de desenvolver doenças crônicas, como câncer, diabetes e problemas cardiovasculares. Por isso, a atividade física foi considerada pelos especialistas do Simpósio sobre Balanço Energético da Série Científica Latino Americana a forma mais eficiente para combater a epidemia da obesidade
O encontro, que reuniu mais de 130 especialistas e pesquisadores em nutrição e saúde pública em todo o continente, contou com a participação de John Dupley, da Universidade de Rosário, na Colômbia, que apresentou provas científicas dos benefícios da atividade física em todas as áreas da saúde. Segundo ele, fazer uma hora de exercício moderado por dia ativa cerca de 800 genes que contribuem para a manutenção da boa saúde, bem como para reduzir em até 50% o desenvolvimento de doenças fatais, como câncer, diabetes e derrame.
“Cinco intervenções no estilo de vida podem reduzir o risco de desenvolver diabetes tipo dois em até 90%: não fumar, ter um consumo moderado de álcool, comer cinco porções de frutas e vegetais, fazer pelo menos 150 minutos de exercícios físicos por semana, equivalente a meia hora por dia, e ter um peso adequado”, explicou Dupley.
De acordo com os participantes do evento, o exercício e os cuidados com a alimentação são as melhores formas de combater os problemas associados ao ganho de peso. "O controle inadequado do balanço energético é provavelmente a principal causa de obesidade que afeta a América Latina", disse o Fernando Lavalle, presidente do Comitê Científico responsável pela organização do simpósio. Segundo o pesquisador da Universidade de Sonora, Mauro Valencia, o gasto energético total de um indivíduo está determinado pelo gasto do próprio metabolismo, o efeito termogênico dos alimentos e o gasto pela atividade física que é o mais variável.

“Um dos fatores determinantes no ganho de peso da população nos últimos anos é o aumento do consumo de ingestão de gordura, e não de carboidratos e açúcares, já que as gorduras têm um maior impacto no desequilíbrio de energia”, defendeu  Eric Ravussin, diretor do Centro Biomédico Pennington de Pesquisa em Nutrição sobre Obesidade da Universidade do Estado de Louisiana. Segundo o especialista, o metabolismo do corpo humano funciona de forma diferente para carboidratos e gorduras. Enquanto os primeiros vão para o fígado, e servem para proporcionar energia ao músculo esquelético, as gorduras praticamente servem para desenvolver o tecido adiposo levando ao aumento de peso e medidas.