29.8.09

Sintomas de Câncer de OváriO

O câncer ovariano é silencioso - portanto, leia com atenção:
- Atente para qualquer dor ou desconforto pélvico ou abdominal, vagos mas persistentes problemas gastrointestinais como gases, náuseas e indigestões;

- Vontade de urinar frequente e/ou urgente, sem que tenha alguma infecção;

- Perda ou ganho de peso inexplicável;

- Pelve ou abdome edemaciados (inchados), entumescidos e/ou com sensação de cheio, cansaço anormal, ou mudanças inexplicáveis dos seus hábitos intestinais.

Se esses sintomas persistirem por mais de duas semanas, peça a seu médico uma combinação de exames pélvico/retal, exame de sangue CA-125 e ultrassom transvaginal. O exame de Papanicolau NÃO detecta câncer ovariano.

Os fatores de risco e proteção para câncer de ovário mais conhecidos e que podem ser modificados são:
Dieta
Mulheres que ingerem alimentos ricos em gordura animal (carne, manteiga, leite integral, queijos, natas, banha, creme de leite, lingüiça, salame, presunto, frituras, pele de frango, carne gorda), têm mais chance de desenvolver esse tipo de câncer. Mulheres obesas têm mais chance de desenvolver câncer de ovário.
Manter-se dentro da faixa de peso ideal (veja cálculo de IMC), principalmente após a menopausa, comer dieta pobre em gordura e rica em alimentos de origem vegetal e não ingerir bebidas alcoólicas diminui as possibilidades de desenvolver esse tipo de câncer.
Terapia hormonal
Mulheres que fazem uso de terapia de reposição hormonal para diminuir os sintomas da menopausa têm risco aumentado para desenvolver esse tipo de tumor.
Por isso, mulheres que fazem uso dessa medicação devem fazer com freqüência exames ginecológicos e ecografias (é um exame em que um transdutor - aparelho que emite uma onda sonora e o seu eco é captado pelo mesmo aparelho para gerar uma imagem na tela de um monitor- é introduzido na vagina da paciente assim como um espéculo, e o útero, as trompas e os ovários são visualizados) que controlam as alterações precoces nos ovários.
O intervalo entre um exame e o outro depende do resultado do exame anterior e da presença de outros fatores de risco.

22.8.09

AS APARÊNCIAS ENGANAM E VOCÊ PODE SE DAR MAL COM ISSO


Conheça erros comuns de alimentação e deixe de fazer escolhas que prejudiquem a saúde ou acabem com uma dieta para emagrecer.Veja alguns alimentos que muitos consideram saudáveis, mas que sofrem restrições:

Barra de granola – A maioria é rica em açúcar e contém de 200 a 250 calorias. Nutrientes, muito poucos. Por 250 calorias você pode comer uma boa salada ou bolachas crackers enriquecidas com grãos, acompanhadas de queijo tofu ou cottage. Melhor uma refeição bem feita do que a praticidade de uma barra.
Cereais – Nem todos protegem o sistema cardiovascular, como se acredita. Você deve preferir os que contenham menos de 5 gramas de açúcar e ao menos 4/5 gramas de fibras por porção. Na dúvida, escolha produtos com o selo de aprovação da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). É uma garantia de estar comprando alimentos diferenciados, elaborados de acordo com padrões nacionais e internacionais.
Aveia – Ajuda a reduzir o colesterol em algumas pessoas. Mas a aveia que se compra ensacada, misturada com açúcar e conservantes, quase sempre apresenta excesso de calorias. Melhor adquirir a orgânica e preparar sua tigela em casa, acrescentando amêndoas e poucas frutas secas também orgânicas. Junte canela em pó para ficar mais saborosa. Saúde!

15.8.09

ALIMENTAÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO DOS TREINAMENTOS DE FORÇA


Em treinos para hipertrofia (aumento de massa muscular), uma correta alimentação pode ser responsável por 60 a 70% dos resultados. Engana-se quem acredita que para ganhar músculos basta comer mais. É fundamental manter uma dieta equilibrada, sabendo o que e quando comer, pois isso permitirá um aumento de massa muscular com qualidade.
Para ocorrer o ganho de massa muscular deve haver um consumo energético (calorias) que supere o gasto nas atividades diárias. Esse excedente fornecerá a energia necessária para a síntese de tecido muscular. É importante também uma ingestão adequada de proteínas (cerca de 1,8g/kg de peso por dia), que após digeridas fornecerão os aminoácidos utilizados na reparação das fibras musculares.
Antes do treino, o consumo de carboidratos é fundamental para que se tenha uma grande reserva de glicogênio muscular para o início do esforço. O glicogênio armazenado no fígado e nos músculos fornece a maior parte da energia durante o exercício, e a diminuição desses estoques pode levar à fadiga muscular precoce.Essa refeição deve ser feita entre 40 e 50 minutos antes do treino, e o ideal é que esses alimentos fontes de carboidratos sejam de fácil digestão, como pães integrais, biscoitos salgados ou doces integrais sem recheio, bolo simples (de fubá, laranja), e frutas sem casca e sem bagaço ou sucos de frutas. Evite alimentos ricos em lipídeos e proteínas, que permanecem um maior tempo no estômago e podem causar algum desconforto.
Durante o treino, é importante manter os níveis de glicogênio muscular. Quando a atividade física se prolongar por mais de uma hora, recomenda-se a ingestão de 30 a 60 g de carboidratos por hora para aumentar o rendimento, retardar a fadiga ao exercício e evitar sintomas de hipoglicemia como náuseas, fraqueza, tonturas, tremores, etc. As melhores opções são bebidas esportivas (600 a 1000 ml/ hora), que contêm água, eletrólitos e carboidratos, ou Água de Coco.
Nas 2 horas após o treino os músculos estão “famintos” e ocorre maior síntese protéica para o reparo e construção muscular. A falta de alimentos nessa hora pode implicar na degradação (catabolismo) das proteínas musculares para fornecimento de energia, fazendo com que ocorra justamente o oposto ao desejado: perda de músculos. A alimentação após o treino deve ser feita o quanto antes, de preferência 30 minutos após o término do exercício a fim de repor a energia gasta no exercício rapidamente e proporcionar os nutrientes necessários para reparação do tecido muscular. Nesse sentido, a dupla carboidrato + proteína é a ideal, optando sempre por alimentos com pequenas quantidades de gordura. Boas opções de carboidrato pós-treino são: pães integrais, arroz integral, massas integrais, batata/batata doce, frutas e sucos. Como fonte de proteínas, boas opções são: iogurte desnatado, queijos brancos e tofu (queijo de soja).
As gorduras também são importantes na alimentação, sendo que até 30% das calorias da dieta deve ser proveniente desse macronutriente, dando preferência às gorduras insaturadas. Uma dica é incluir na sua alimentação diária suplementos que forneçam ácidos graxos essenciais (ômega-3 e ômega-6), que são um tipo de gordura insaturada assim chamados porque nosso organismo não é capaz de produzi-los. Os ácidos graxos essenciais desempenham funções importantes no metabolismo e na saúde como um todo, e são encontrados no Óleo de Linhaça, Óleo de Prímula ou Óleo de Coco.
A definição muscular se dá quando há diminuição do percentual de gordura corporal. Com isso, as formas dos músculos ficam à mostra sob a pele. Para se conseguir a definição é preciso primeiro ter ocorrido a hipertrofia para então haver a perda da camada de gordura que recobre a musculatura. Apesar do objetivo nessa fase ser a diminuição da gordura corporal, deve haver um maior cuidado para minimizar a perda muscular causada pela restrição calórica.
É importante lembrar que para alcançar seus objetivos é imprescindível que a alimentação como um todo esteja adaptada à proposta, e não apenas os alimentos consumidos próximos ao exercício.

8.8.09

11 DICAS PARA UMA DIGESTÃO TRANQUILA


Aprenda como organizar o seu cardápio para evitar problemas como azia e gases. Com uma alimentação equilibrada e cuidados com eventuais intolerâncias alimentares do seu organismo é possível evitar azia, gases, má digestão e distensão abdominal.

1) O primeiro passo é controlar o excesso de farinha refinada, gordura saturada, carnes vermelhas, frituras, refrigerantes, pimenta e cafeína. Todos dificultam o trabalho do sistema digestivo e têm muitas toxinas.

2) Algumas pessoas têm leves sensibilidades a alguns alimentos, como leite, feijão preto, brócolis e couve-flor. O ideal, neste caso, é substituí-los por similares de fácil digestão: o feijão preto pode ser trocado pelo azuki ou o branco; o leite de vaca pelo de soja.

3) Azia nada mais é do que excesso de acidez no organismo. Evite, portanto, alimentos ácidos, como frutas cítricas (manga, laranja, abacaxi, tangerina e morango, por exemplo). Prefira as alcalinas: banana, uva-passa, mamão e melão.

4) Já a sensação de peso e de distensão do abdômen, também conhecida como má digestão, pode ser combatida com as frutas ácidas, que têm enzimas digestivas. Abacaxi é especialmente bom nesses casos. Nozes, castanhas, suco de pêra com pêssego ou suco de banana também podem ajudar.

5) Os gases são causados por desequilíbrios da flora intestinal e pela fermentação dos alimentos. Além de identificar eventuais intolerâncias do seu organismo, é bom evitar combinações ruins, como a de muitos alimentos indigestos em uma mesma refeição (feijão + brócolis) ou frutas cítricas e doces juntas (laranja + banana, por exemplo).

6) Faça uma dieta variada, com pelo menos três tipos de frutas e três de saladas todos os dias, com cores diferentes (o que significa nutrientes diferentes). Prefira alimentos orgânicos e grãos integrais, hortaliças frescas, óleos de gergelim, oliva e girassol, sucos naturais. Tente, a cada semana, variar um item do cardápio para oferecer novos nutrientes ao organismo.

7) Para não exagerar na carne vermelha e não ficar sem proteínas, troque algumas porções da carne por tofu, champignon, soja, ervilha, lentilha, grão-de-bico e feijão branco.

8) Não beba durante as refeições, para não diluir o ácido clorídrico do estômago e prejudicar o trabalho digestivo. Líquidos, só meia hora antes ou uma hora depois da comida. Lembre-se também de mastigar sem pressa.

9) Pela manhã, em jejum, massageie o abdômen em sentido horário, para estimular o funcionamento do intestino. Depois, beba um copo de água morna ou de chá de limão.

10) Prefira jantar três horas antes de dormir.

11) Faça limpeza intestinal anualmente. Uma excelente opção é através da COLONTERAPIA, procedimento muito conhecido na Inglaterra, Estados Unidos e Alemanha, por fazer parte dos procedimentos de manutenção da saúde e beleza de Lady Diana, Demi Moore, Kim Bassinger, entre outras.